outubro 25, 2008

Oração


Meu Deus me dê vergonha na cara. Não por orgulho que é oco. Não pela vaidade que é inútil. Nem pelo medo do vexame, pois este foi inevitável.
Eu já levei todos os foras, já tomei todos os gelos, que sou capaz de assimilar. Mandaram-me ser feliz bem longe, cá onde estou. A recorrente mão estendida no ar , eu sei que é um sintoma que se compraz na rejeição. Isso me obscurece a vista e enfeia o mundo, me mata o desejo, aniquila minhas ilusões, que para mim equivalem à fé. Cada sensação desta condição deve ser mais um pecado computado à minha conta (bem alta por sinal).
Pois se sou eu o erro e a errada, Deus, eu não te peço muito, devolva-me a lucidez ou me premie com o esquecimento. Quero fazer jus a ser sua criatura, Quero de novo a volúpia dos dias de sol.

Se se pode reconhecer a essência de todos os seres no céu e na terra pelas atrações que exercem, o que dão a saber as rejeições ?

2 comentários:

Angela Gomes disse...

a vida dura sem a cara-de-pau ... a pele, enquanto campo de contato com o mundo, é profunda.

Anônimo disse...

reza de ateu não leva a nada